Arquivo da tag: Sucesso

Participação no QCon SP


QCon São Paulo
– O principal evento de arquitetos e desenvolvedores chega a América Latina. O QCon SP traz, dias 11 e 12 de setembro, ícones internacionais e nacionais de diversas áreas, com apresentações de alto nível técnico. Com sistemas cada vez mais complexos, o QCon aborda não apenas uma única tecnlogia ou aspecto: passa de Java, .NET e Rails até Arquitetura, Design, Cloud, Escalabilidade, Replicação, Cache e casos de sucesso. Serão dois dias com mais de 40 palestras de alto nível.

Eu estarei lá junto com o Gabriel Benz, que trabalha comigo na Giran, nós apresentaremos um case de sucesso relacionado ao nosso trabalho com a Wine.com.br, o maior e-commerce de bebidas da América Latina, projeto de inteira responsabilidade da equipe da Giran, desde o desenvolvimento do sistema em si até integrações com sistemas de terceiros e ambiente/servidores de produção.

O trabalho com a Wine é desafiador e muito interessante para todo o time, mesmo após 13 meses de trabalho contínuo ainda aprendemos muito, criamos muitas coisas novas, mudamos, e ainda temos muito a construir e realizar, muitos desejos e sonhos. A Wine deixou de ser apenas um cliente Giran e tornou-se um parceiro+amigo: transparência, sinceridade, dedicação e um time que trabalha com qualidade extrema, todos estes fatores foram essenciais para alcançarmos esta confiança e parceria.

Vamos falar rapidamente sobre essa parceria e forma de trabalho e vamos nos concentrar na parte técnica (a mais legal) do projeto, quem estiver na apresentação verá algumas coisas que estamos fazendo com Spring e Solr, com Apache, caches diversos, um pouco de Torque e OpenJPA, e muitos outros pontos interessantes da arquitetura tanto de software quanto de produção.

Eu estou, pessoalmente, tomado por um sentimento que mistura um pouco de felicidade, realização e reconhecimento, estou muito feliz com o trabalho na Giran, com os clientes e projetos e principal com a equipe que estou trabalhando, são todos ‘excepcionais’ (literalmente). E claro, muito ansioso pelo evento e pela apresentação, parece até a minha palestra!

Escopo, o inimigo do sucesso

Os grandes e temidos arquitetos de sistemas adoram quando precisam especificar um escopo de um grande projeto, geralmente este trabalho é tido como o supra-sumo da empresa, onde somente o melhor dos melhores pode executar, onde a responsabilidade de sucesso ou fracasso está em jogo e no entender da empresa nada deve ser apressado, o arquiteto precisa de tempo para pensar em todos os detalhes, de todos os recursos que precisar para esmiuçar o escopo ao máximo, pensar em tudo que o cliente irá desejar, tudo mesmo.

O que muitos não vêem é que, com isso, a receita para o fracasso já está praticamente concluída. O trabalho e esforço de semanas ou até meses onde o arquiteto deu tudo de si, não passa, simplesmente, da pura arte da adivinhação, de previsão do futuro, de achismo e nada mais. O que ele achou que o cliente desejaria, o tempo que ele achou que iria demorar, os prazos que ele tirou da cartola e os resultados que ele sonhou acontecer dificilmente serão alcançados. Isso não acontece por falta de capacidade do arquiteto, pelo contrário, em alguns casos ele é realmente O cara da empresa e possuidor de vasta experiência, mas tentar prever o futuro não é uma ciência exata.

Apenas uma observação aqui: Não sou contra o levantamento de requisitos e especificação de escopo, pelo contrário, acho que é um trabalho de extrema importância, apenas não concordo com a forma que este trabalho é feito na grande maioria dos projetos, onde o pensamento e a organização em cascata impera.

O fracasso numa situação dessas poderá vir quando o cliente, no meio do projeto, resolver mudar tudo. O arquiteto terá que trabalhar mais alguns meses em um novo escopo? O cliente entenderá que deverá pagar por mais alguns meses de replanejamento de escopo? Como o seu escopo reagirá a mudanças, ele foi preparado para isso?

Ou quando ao final do projeto, somente ao final do projeto, uma versão usável for apresentada ao cliente e ele achar que você se enganou e apresentou a solução de um outro cliente a ele, tamanha a discrepância entre as expectativas do cliente e da empresa. E agora, como fica a situação? Inicia-se um novo projeto!? E quem pagará por isso?

Ou no pior dos casos, durante o desenvolvimento do projeto vê-se que o que o arquiteto previu para 10 meses de trabalho com uma equipe de 5 pessoas estava completamente furado, você vai precisar de 20 meses. Então qual é a brilhante ideia? Aposto a minha sacola de mendorato: “- Vamos dobrar a equipe, com 10 pessoas conseguiremos diminuir o prazo pela metade e assim ficaremos dentro do esperado”. É tiro-e-queda, será um grande fracasso. Ter um escopo flexível e incremental seria muito melhor do que incrementar a equipe para seguir o escopo. Afinal de contas, desde quando nove mulheres juntas são capazes de gerar um filho em um mês? Manusear prazos, expectativas e custos de um produto desta forma, definitivamente não dá certo.

Existe ainda um outro lado, aquelas pessoas que não querem se preocupar com problemas de escopo, que não querem ter problemas ao final do projeto se tiverem que discutir com o cliente sobre determinada funcionalidade está certa ou errada ou se deveria existir ou não, estas pessoas são as adeptas do escopo fixo.

Eu costumo dizer que, em projetos com escopo fixo só têm uma certeza: ele irá fracassar!

O fracasso nestes projetos não precisa ser necessariamente a não entrega do produto. Isso quase sempre acontece, mas milagres podem acontecer e o projeto pode ser concluído e entregue no tempo, mas ainda assim será um fracasso. Será um fracasso para o seu cliente, que demandou o projeto. Assim como dois mais dois são quatro, eu aposto o meu mendorato de novo que o seu cliente certamente mudou de idéia em vários pontos durante o desenvolvimento do projeto, mas você, esperto que é, já tinha o seu escopo fixo e para não sacrificar a “entrega” e seguir o maldito escopo, esfregou na cara do seu cliente que ele não poderia mudar nada, que ele não tinha esse direito, que estava escrito no escopo assim como é gravado em pedra e nada daquilo poderia mudar, em hipótese alguma, e mais, se ele fosse teimoso e insistisse em mudar teria uma saborosa multa à sua espera.

Sem dúvida esse cliente não estará com você num próximo projeto. Este é um tipo de fracasso que é muito pior que o anterior, certamente. Seria preferível não entregar tudo o que estava no escopo, renegociar o escopo, incrementá-lo ou decrementá-lo, mas entregar tudo o que o cliente pediu durante o projeto do que ignorar e trocar a sua opinião por um documento que foi feito em alguns dias ou horas numa tentativa de prever o futuro, que acaba quase sempre de modo frustrante para ambas as partes – para a empresa que trabalha desta forma, nem tanto, pois a essa altura ela já terá recebido todo o orçamento do projeto.

Trabalhar com o escopo de forma iterativa e incremental não é nenhum bicho de sete cabeças, seu pescoço não estará na corda desde que todas as expectativas estejam alinhadas, insira o seu cliente no projeto, faça-o participar de todas as etapas e ele mesmo verá e terá consciência de que em determinados pontos o escopo precisa mesmo ser alterado – para mais ou para menos. Aprenda a negociar e gerenciar expectativas com o cliente e o escopo passará a ser o grande amigo do seu projeto.

Além dos links dos artigos no último parágrafo, o Manoel Pimentel disponibilizou uma ótima apresentação sobre Gestão de Requisitos através de práticas Ágeis e Enxutas, que mostra extamente algumas das formas de se trabalhar com escopo incremental e iterativo.

Tentar ou continuar na mesma?

Qualquer tipo de mudança na organização e pseudo-metodologias de desenvolvimento de qualquer empresa de tecnologia costuma ser um grande pesadelo. Isso é assim por vários motivos.

Geralmente os gerentes e diretores (na maioria das vezes) serão duros e contra qualquer tipo de mudança simplesmente pelo fato de a empresa ter gastado centenas de milhares de dinheiros, logo, pensarão por muito tempo que isso (metodologia customizada) deverá dar algum resultado, o que acaba não acontecendo na maioria da vezes. Essa negligência e fraqueza em assumir logo o prejuízo e tentar mudar – para melhor – acaba acarretando em prejuízos muito maiores no futuro, demissões em larga escala, troca de diretoria e por aí vai, já vi isso antes.

Outra justificativa muito usada para evitar mudanças será a falácia de que “em time que está ganhando não se mexe. Grande parte das vezes falta coragem ou maturidade para enxergar que o time não está ganhando e que precisa ser modificado, sim. Também não é incomum encontrar situações onde a mudança não é vista com bons olhos pois as metodologias pra inglês ver, as certificações (de parede) e demais honrarias são mais valorizadas do que às pessoas e o produto que a organização entrega, então, nesses casos pouca importa se está bom ou ruim.

Mas onde eu quero chegar com esse post? Todas estas situações que falei até agora são conhecidas pela maioria dos desenvolvedores e sabemos que são situações difíceis de serem vencidas, eu mesmo já fracassei em algumas tentativas de mudança diante de tais situações e felizmente já obtive muitos sucessos também.

Recentemente, almoçando com um grande amigo acabamos caindo no papo sobre as nossas empresas e clientes e falamos sobre um caso em especial. Um cliente em que já haviámos trabalhado, onde enfrentamos todas aquelas situações anteriores de uma só vez – acreditem! – continuava na mesma. Com os mesmos problemas de sempre (atraso), mesmos gerentes/diretores e as mesmas pseudo-metodologias e regras internas, a única coisa que não era a mesma eram os clientes, nem preciso dizer o porque.

Mas a disucssão não chegou a ser prática ao ponto de “seja ágil”, “você precisa praticar TDD/BDD”, “agarre-se ao PMBok” ou “se você não aderir ao Scrum não vai ter jeito”, nada disso, não estávamos questionando a metodologia, nem as regras em si, mas sim a resistência em mudar. Fazendo uma breve retrospectiva vimos que 100% dos últimos projetos não haviam sido entregues na data prevista, desses 100%, 100% tiveram o orçamento o estourado e, desses 100%, 100% não atenderam a todas as expectativas do cliente e foram entregues com features a quem do esperado.

Diante de um cenário como esse, por que não deveríamos tentar mudar? Por que não tentar fazer alguma coisa diferente? Se estamos “sendo ágeis com scrum+xp” por que não tentar um modelo mais lento!? Se o RUP/MPS.Br/QualquerCoisa não está dando certo, por que não mudar e tentar outro? Se as metodologias e regras internas não estão sendo suficientes, por que não deveríamos tentar outra? Com um histórico de atrasos e fracassos, o que poderia acontecer de pior, atrasar 9 semanas ao invés de apenas 7!?

Não fique na mesma por muito tempo, mesmo que o seu time esteja ganhando e esteja realmente na frente, experimente mudar, tente melhorar, evoluir. Avalie sempre não só as mudanças, mas veja o que elas poderão fazer por sua organização, por seus projetos, se algo pode ser melhorado, vá em frente, se algo pode piorar, avalie o seu presente e passado e veja se vai, de fato, piorar, ou se você já estava “na pior” e não estava se dando conta. Não seja cético correndo atrás do que está na moda, na crista da onda, isso nem sempre será bom pra você, mas procure sempre avaliar sua situação e ver o que você pode tentar melhorar e o que pode, sem prejuízos, continuar na mesma.