Arquivo da tag: Mac

Estamos contratando na Giran

Há pouco tempo pude compartilhar minha enorme felicidade com o lançamento da Giran Soluções e Ensino com todos vocês dois leitores, e desde lá estamos trabalhando duro, literalmente ralando por aqui. Cada dia, cada entrega, cada projeto e contrato conquistado são alegrias enormes e, sempre comemoradas com muito entusiasmo. Agora estamos abrindo nosso primeiro processo de seleção, estamos crescendo!

A Giran é uma empresa nova, jovem, descontraída e muito, muito comprometida com seus objetivos. Trabalhamos de forma ágil, usamos Scrum internamente e nos projetos dos clientes, além de várias práticas de Extreme Programming, inclusive TDD e programação em pares. Aversão à estas práticas não é um bom diferencial :)

Neste processo de seleção nós não estamos procurando especialistas e nem donos da verdade, aqui na Giran nós usamos de tudo um pouco. Cada profissional tem uma especialidade ou ‘sabor preferido’, nós também temos as nossas e sabemos valoriza-las, mas estamos interessados especialmente em profissionais multi-disciplinares, que sejam capazes de desenvolver, analisar, testar e arquitetar com diferentes linguagens e tecnologias, ou que ao menos estejam dispostos a trabalhar desta forma. Como trabalhamos com Internet, conhecimentos em Javascript, CSS, XHTML, mashups com APIs de terceiros, etc, serão um bom diferencial.

É importante que o candidato saiba que prezamos muito pela qualidade do que fazemos, nós estudamos os códigos um dos outros e nos respeitamos por isso, aprendemos muito assim. Nosso principal objetivo é a qualidade máxima, nós não viramos noite trabalhando e mesmo assim entregamos software no prazo, testado e funcionando muito bem, obrigado! Por isso estamos procurando pessoas com esse perfil: comprometidas, organizadas, que saibam trabalhar muito bem em equipe e que prezem pela qualidade do que fazem.

Por último, e talvez mais importante: todos nós somos nerds, geeks, apaixonados por tecnologia e super atualizados com as últimas novidades da Internet e do mercado. Nossa equipe é jovem, irreverente, descontraída e em constante evolução. São pessoas com esse perfil que estamos procurando.

A empresa oferece contratação com salário de mercado (não o do mercado capixaba), plano de benefícios e outros incentivos como cursos e treinamentos (especialmente aulas de inglês), um iMac ou Macbook (sim, gostamos da maçã por aqui) exclusivo para você, e claro vaga garantida nas partidas de xbox360. Estamos localizados em Jardim da Penha, Vitória-ES.

Se você acha que se enquadra, mande um email para mim (contato at giran.com.br) com seu currículo e os nomes dos 3 últimos livros técnicos que você leu. Diga se você sabe quem é o Taurin e qual sua ocupação, afinal de contas você está indo para Giran Castle Town.

Não pense que estamos procurando apenas profissionais experientes e de altíssimo nível: se você é estudante e tem pouca ou nenhuma experiência mas gosta de ler e aprender sobre coisas novas você não está fora! Escreva pra gente.

Ativando Syntax Highlighting no VIM

Recentemente participei de algumas discussões nas listas que participo que abordaram ambiente de desenvolvimento e, consequentemente, editores e IDEs. A escolha do editor ou da IDE é algo completamente particular e extremamente pessoal, e depois que alguém adota alguma ferramenta, não adianta alfinetar ou empalar com uma lança, as opiniões dificilmente mudarão, não importa quais ou quantos argumentos forem usados. Até mesmo por isso não quero falar sobre melhor ou pior aqui.

Numa dessas discussões, inevitavelmente começaram a falar sobre o VIM e num determinado momento alguém exclamou que o VIM era tão ruim que nem Syntax Highlighting fazia. Mas oras, é claro que faz. Uma dica rápida.

1) Ativando Syntax Highlighting manualmente

Durante a edição de um arquivo, você pode ativar ou desativar a Syntax Highlighting quando quiser. Para ativar:

:syntax on

E para desativar:

:syntax off

2) Ativando Syntax Highlighting automaticamente

Se você quiser, pode deixar que o VIM faça isso automaticamente sempre que possível. Pra isso edite o arquivo vimrc e adicione o trecho abaixo. No Linux esse arquivo geralmente fica em /etc/vim/vimrc, enquanto no Mac OS X você o encontrará em /usr/share/vim/vimrc.

if has("syntax")
  syntax on
endif

E é isso. Feche e abra o próprio arquivo vimrc e veja as diferenças. No meu caso ele ficou assim:

picture-2

Os arquivos de syntax ficam no diretório syntax dentro do diretório de instalação do vim, pro caso de você querer mudar alguma coisa.

Bye Firefox, Welcome Safari

Eu sempre fiquei muito puto intrigado com o excessivo consumo de memória do Firefox desde quando comecei a utiliza-lo. Às vezes alguns patches ou novas versões melhoravam um pouco, mas depois com as dezenas de plugins interessantes sendo lançados a coisa foi ficando cada vez mais complicada. Mas resisti, sempre, afinal, no linux/gtk eu não gostava do epiphany e nem do opera, então só restava mesmo usar o firefox.

Há algum tempo voltei a usar mac e então resolvi experimentar o Safari. O firefox continua a consumir seus ~900Mb de memória com aproximadamente 10 plugins e 15 abas. O mais estranho que no mac, sempre que eu estava usando o firefox uma grande quantidade de memória fica como inativa, em torno de 500Mb, logo era quase 1.5Gb de memória para usar o Firefox, um pouco complicado. Usando o Safari esses números caíram para ~200Mb de memória para o Safari e ~80Mb de memória inativa.

A primeira impressão, assim como tem sido tudo no mac é a dificuldade com os atalhos. Depois a falta do CTRL+K (no caso do mac CMD+K) pra ir pra barra de pesquisa, customizando um pouquinho consegui acertar isso. Próximo problema, plugin para o delicious, também facilmente resolvido. Firebug, e agora!? Bom, agora é abaixar a cabeça e se conformar, quando eu precisar terei que usar o firefox mesmo, até existe o Firebug Lite para Safari, mas é meio fraquinho de recursos.

As necessidades emergências estavam contempladas. Depois foram aparecendo outras coisas que estavam fazendo falta. Twitter, tentei o tweetdeck e o twhirl, mas achei todos muito pesados (+130Mb ram) e feiosos, acabei ficando com o Twitterrific mesmo, bem mais leve e funcional.

E por fim, o que me conquistou realmente. Estava sentindo falta dos bookmarks locais do firefox, principalmente os que ficam na barra de bookmarks, a minha era cheia deles, deixava o nome em branco e aparecia somente o favicon e os gerenciava com o Foxmarks. Até existe uma versão do foxmarks para o Safari, mas não aparecem os favicons na barra, então não era suficiente. Atualizei o Safari para a versão 4 beta e pronto, um recurso novo foi suficiente para suprir essa necessidade, é o Top Sites. Continuo usando o Foxmarks para gerenciar os bookmarks, mas agora com o Top Sites o que eu usava visualmente (favicons) ganhou uma melhora expressiva.

E é isso, por enquanto nada a reclamar.

Continue lendo Bye Firefox, Welcome Safari

De volta ao Macintosh

Eu ainda não sou nenhum coroa, mas sou do tempo em que os computadores da Apple eram chamados de Macintosh. Durante a minha quinta série do ensino fundamental eu fui louco por um Macintosh Performa 6300, mas somente no final da sexta série que eu fui ganhar meu primeiro Macintosh: um iMac G3, foi o primeiro modelo de iMac a ser lançado, primeira linha da Apple com o PPC G3, ainda me lembro daquele monitor verdinho com gabinete embutido e todos meus amigos apavorados com o computador sem floppy-drive e com o mouse de um só botão. Época boa.

O fato é que eu usei o MacOS 8.X por alguns anos, até que o iMac ficou velho e eu o troquei por um PC. Desde então eu estava sem Mac. Semana passada consegui passar a diante o meu Sony Vaio e comprei um Macbook, edição black. Estou gostando de retornar à este ‘mundinho’, o MacOS X Leopard é muito diferente do MacOS que eu conhecia, mas a experiência está sendo muito bacana e com a ajuda de vários amigos estou conseguindo deixar as aplicações em dia e funcionando.

Por enquanto só tenho a reclamar com a falta de ambientação dos atalhos. Tenho todos os atalhos do Ubuntu/Gnome memorizados e vai ser difícil aprender os novos agora, ainda mais com o layout do teclado diferente. Mas vâmo que vâmo. E se você tiver qualquer sugestão de aplicação, configuração ou sejá lá o que for, por favor não deixe de dizer.