28 comentários sobre “Negociação de contratos de projetos de software

  1. Pingback: Eduardo Bregaida
  2. Pingback: mauriciojr
  3. Pingback: Lucas Teixeira
  4. Pingback: Loiane Groner
  5. Pingback: cmilfont
  6. Pingback: Francisco Souza
  7. Pingback: Gabriel Benz
    1. Milfont, por enquanto ainda não pensamos nisso, a idéia central é abordar apenas os pontos técnicos. Mas seria uma boa falar um pouco do contrato também, afinal foi devido à forma de contratação que conseguimos trabalhar com liberdade. Gostei da idéia :)

  8. Pingback: Renan Martins
  9. Grande Jevô, parabéns pela apresentação e pelo evento – tenho ouvido (lido) excelente comentários sobre o #marevix!

    Espero que você esteja presente no Maré de Agilidade de Fortaleza e nos dê o privilégio de assistir esta sua palestra :-)

    Enfim, fica o convite!
    Um abraço!

  10. Excelente apresentação. Percebi que vc é da Giran, que pelo que tenho visto, é uma forte empresa no quesito Agile.

    Por curiosidade, quantos contratos vc teve a oportunidade de exercer os conceitos que você mostra no slide? Digo do zero à entrega do produto? Pode dar algum exemplo (se possível claro, tipo, vi que vocês fizeram aquela Wine)?

    Trabalho mais na parte comercial e estou tentando botar em prática esses conceitos que você falou!

    1. Olá Jorge, como vai, tudo certo?

      Exato, eu trabalho na Giran sim. Nós ainda somos uma empresa bem pequena, ou seja, com poucos clientes e contratos. Nem todos os modelos citados nós tivemos a oportunidade de “experimentar” na Giran ainda, até porque isso varia muito entre o tipo de projeto e o cliente. Não da pra simplesmente tentarmos usar um tipo de contrato sem conhecer o projeto e o relacionamento com o cliente.

      O que mais estamos tentando sucesso é com contrato de escopo incremental e orçamento fixo (revisado por trimestre).

  11. Jeveaux,

    Parabéns pela apresentação e pela organização do Maré-Vix.

    Trabalho com contratos orientados por pontos de função há muitos anos, logo senti falta deste tópico durante a apresentação. Você possui experiência com este tipo de contrato utilizando metodologias ágeis?

    Um abraço!

    1. Olá Vinicius,

      Obrigado pelo retorno. Essa necessidade de informação sobre métricas de ponto de função com contratos ágeis tem sido algo muito recorrente nas minhas apresentações, de verdade. Infelizmente eu nunca tive a oportunidade de trabalhar com ponto de função, então, não tenho muita base para comparar e analisar :( Desculpe.

  12. Pingback: Jeveaux
  13. Pingback: Léo Hackin
  14. Pingback: Makoto Hashimoto
  15. Pingback: Brena Monteiro
  16. Pingback: Carlan Calazans
  17. Pingback: Rafael Ponte
  18. Pingback: Alberto Leal
  19. Pingback: Gabriel Corpse

  20. jeveaux:

    Olá Jorge, como vai, tudo certo?
    Exato, eu trabalho na Giran sim. Nós ainda somos uma empresa bem pequena, ou seja, com poucos clientes e contratos. Nem todos os modelos citados nós tivemos a oportunidade de “experimentar” na Giran ainda, até porque isso varia muito entre o tipo de projeto e o cliente. Não da pra simplesmente tentarmos usar um tipo de contrato sem conhecer o projeto e o relacionamento com o cliente.
    O que mais estamos tentando sucesso é com contrato de escopo incremental e orçamento fixo (revisado por trimestre).

    Jeveaux,

    Esse formato incremental foi o que mais me agradou também. Estou bolando algumas estratégias de como oferecer isso ao cliente como uma vantagem tática e operacional da minha empresa.

    Creio que dessa forma podemos contornar alguns projetos mal sucedidos que tive aqui em BH utilizando escopo/orçamento fechado.

    Novamente, parabéns e até a QConSP!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *